J. Borges

O José Francisco Borges, mais conhecido como J. Borges, é um afamado cordelista e xilogravurista brasileiro.
Bloco do Papangu J.Borges

Naceu no ano 1935 em Bezerros - PE. De pequeno já trabalhava na terra com seu pai que era agricultor, e aos 10 anos vendia na feira colheres de pau fabricadas por ele mesmo. Também fez brinquedos artesanais, foi oleiro e vendeu libros de cordel.

"O Encontro de Dois Vaqueiros no Sertão de Petrolina," no ano 1964, foi seu primeiro folheto de cordel, que foi sussesso de venda, com mais de 5000 exemplares vendidos em dois meses. Esta obra, tem sido xilogravada pelo Mestre Dila.

Na sua segunda obra, chamada "O Verdadeiro Aviso de Frei Damião Sobre os Castigos que Vêm", J. Borges não tinha o dinheiro para contratar um ilustrador, então decidiu fazer esse trabalho ele mesmo, e entalhou a fachada da Igreja de Bezerros na madeira, hoje ao dia já tem feitos mais de 200 cordéis.

No ano 1972, foi quando suas obras foram exportadas pelos pintores cariocas Ivan Marquetti e José María de Souza, quens encarregabam para o J. Borges xilogravaduras de grande formato, e elas chegaram na mão de escritor Ariano Suassuna, foi então que o artista começou ser reconhecido internacionalmente como o artista do folclore brasileiro mais importante.

No ano 1992, o J. Borges conseguiu expor em Zurique, na Galeria Stähli, e em Novo México, no Museu de Arte Popular de Santa Fé. Depois, participou em exposições nos Estados Unidos e na Europa.

Entre suas distinções e prêmios destacam-se o prêmio UNESCO na categoria Ação Educativa/Cultural.

No ano 2002, com a xilogravura “A Vida na Floresta”, foi um dos artistas escolhidos para ilustrar o calendário anual das Nações Unidas.

O reconhecido jornal ¨The New York Times¨ fez uma matéria no ano 2006 dedicada ao artista.

Suas xilogravuras representam ao povo nordestino, reproduzindo imagens coloridas da vida cotidiana do pobre, do amor, os misterios, crimes, castigos do céu, a religiosidade e a picardia entre outras xilogravaduras, que são impressas em tamanos diversos e grandes quantidades, e muito procuradas por artistas, intelectuais e colecionadores de arte do mundo todo.
Além disso, ele também fez anúncios de jornal, capas de álbuns, logos, rótulos de cerveja, sinais de campanha política, e modelos de camisetas.

Em Bezerros, sua cidade natal, pode-se conhecer o Memorial J. Borges, com exposição de muitas das suas obras. Um passeio cultural imperdível para quem visita a cidade.
O J. Borges é Patrimônio Vivo de Pernambuco.